sexta-feira, 6 de outubro de 2017

500 anos depois...

Quinta-feira, 28 de setembro de 2017. Um fim de tarde como tantos outros na Praça da Matriz. Temperatura amena, uma leve brisa soprando do Guaíba. Pela Duque de Caxias os carros aceleram em direção sul-norte buscando o caminho da Oswaldo Aranha e da Azenha. Faróis ligados para iluminar o fim da tarde que começa lançar suas sombras por entre os prédios. Sons irritantes das buzinas dos apressados e impacientes. Todos tem pressa de chegar em casa. Da Assembleia Legislativa saem inúmeros funcionários. Ninguém sabe exatamente quantos... São identificáveis pelos ternos e crachás esquecidos sobre o peito. O Palácio Piratini mantem-se impávido em meio ao tumulto. Parece não sentir, assim como soe fazer seu ocupante de plantão, o que se passa ao seu redor. Um fim de tarde como qualquer outro fim de tarde de uma quinta-feira de mais uma primavera porto-alegrense.
Algo estranho, no entanto, acontece no estacionamento público do entorno da Praça da Matriz. Os carros que partem levando seus fatigados ocupantes são imediatamente substituídos por outros carros que giram em busca de vaga. Os flanelinhas estranham. É anormal o movimento. Bom para eles que, alegres com a perspectiva de uma renda extra, em nada se importam com o atípico movimento. Os novos chegantes são, em sua grande maioria, altos, brancos, loiros. Típicos germânicos. Homens e mulheres. Em cada carro estão quatro e até cinco pessoas. As placas dos carros são da Região Metropolitana de Porto Alegre.
Os chegantes dirigem-se rapidamente em direção à Catedral Nossa Senhora Mãe de Deus. Que irão fazer? A missa vespertina já terminou e a essa hora as pesadas portas já deveriam ter sido fechadas para evitar a entrada de mendigos e moradores de rua. Mas as portas estão abertas e nos degraus e no pórtico de acesso um aglomerado de bispos, padres e, para surpresa de alguns e alegria de muitos, um sem número de pastores luteranos e representantes de outras igrejas cristãs. É noite de festa. É noite de reencontro. É noite para passar do conflito à comunhão. É a celebração ecumênica dos 500 anos da Reforma. Dom Jaime Splenger, Arcebispo de Porto Alegre e anfitrião do encontro, preside ao lado do Pastor Presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), pastor Nestor Paulo Friedrich, da vice-presidente da IECLB, pastora Sílvia Beatrice Genz, e do presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Leituras, cantos e exortações alternados entre católicos e luteranos.
Nos bancos ao meu redor, vários conhecidos e conhecidas, tanto católicos como luteranos. Padres e pastores de várias cidades do interior. Entre tantos encontros, a alegria de reencontrar e poder rezar junto com professores e colegas da Escola Superior de Teologia de São Leopoldo. Catedral repleta. Vozes unidos em torno dAquele que constrói a unidade.
Discretamente me levanto e, girando pelos fundos da catedral, me dirijo à segunda coluna à direita. Nela estão sepultados os dois primeiros bispos de Porto Alegre, Dom Feliciano José Rodrigues de Araújo Prates e Dom Sebastião Dias Laranjeira. Este último, o grande reformador da Igreja Católica no Rio Grande do Sul. Com todo afinco buscou implementar as orientações da Encíclica “Quanta Cura” de Pio IX e o seu complemento, o “Syllabus Errorum...” Em sua participação no Concílio Vaticano I, destacou-se pelo apoio incondicional à tese da infalibilidade papal e o combate à modernidade e ao protestantismo. Na sua ação pastoral, fazia pressão junto ao poder público para que não fossem destinadas verbas para a construção de igrejas protestantes e não fossem reconhecidos pelo Estado os matrimônios luteranos.

Encosto na coluna junto à lápide e apuro o ouvido: silêncio! Bato com o nó dos dedos para ver se há alguma reação: nada! Fico tranquilo... Oxalá continue assim: tudo em paz no mundo dos mortos e tudo em festa no mundo dos vivos.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Os terraplanistas estão chegando!

O nome é bonito: terraplanista! Uma espécie para mim nova. Tomei conhecimento dela lendo uma reportagem no site da BBC. Curioso, comecei a fazer buscas na internet e me dei conta que há vários grupos deles que se multiplicam pela internet. Alguns ultrapassam o número dos 70 mil seguidores. Entre eles, pessoas com boa formação acadêmica: técnicos, engenheiros, profissionais de várias áreas. Também há muitos estudantes universitários e até alguns professores. Para minha surpresa, um dos grupos mais ativos tem como administrador um morador da capital dos pampas.
A afirmação dos terraplanistas é simples: a Terra é plana e seus confins são delimitados por uma cúpula na qual circulam o sol, a lua e as estrelas que seriam muito menores que a Terra. O objetivo dos terraplanistas é combater os “globalistas”, ou seja, aqueles que acreditam que o planeta Terra é redondo.
Por consequência, os terraplanistas também se opõem aos heliocentristas. O terraplanista é  geocentrista. Copérnico, para eles, foi um mentiroso. Galileu Galilei, idem. A Igreja fez bem em condená-los. Como argumento para a sua teoria, citam as muitas tradições religiosas que afirmam que a Terra é o centro do universo. Entre elas, a Bíblia. Para um terraplanista, a teoria de que a Terra é redonda nada mais é do que uma conspiração de pessoas antirreligiosas e da Agência Espacial Norte Americana (a NASA) que com isso pretende ganhar dinheiro e manter a humanidade sob sua dominação. As fotos de satélite mostrando a Terra redonda seriam uma montagem para enganar os incautos. Mais: a própria existência de satélites girando ao redor da Terra seria pura mentira, como mentiroso foi o desembarque do ser humano na Lua.
Ao seguir um grupo de terraplanistas, me dei conta que muitos deles são também criacionistas. Eles acreditam que o ser humano, assim como todos os animais e as plantas, foram criados por Deus assim como são na atualidade. E que a criação deu-se tal qual está descrito no Livro do Gênesis da Bíblia cristã. No primeiro dia Deus separou a luz da trevas; no segundo as águas as águas superiores das águas inferiores; no terceiro separou as águas inferiores da terra e nesta criou as ervas; no terceiro o sol, a lua e as estrelas; no quinto, foi a vez dos animais aquáticos, das aves e dos répteis; no sexto Deus criou os animais terrestres e, entre eles, os humanos sobre os quais soprou seu alento divino. A Teoria da Evolução das Espécies, para os criacionistas, nada mais é do que uma das tantas invencionices da modernidade e suas ciências na tentativa de semear a descrença e o ateísmo. Os fósseis, tanto animais como humanos, encontrados em diversos lugares do mundo, são apenas grosseiras invencionices para ludibriar bobos.
Outro elo entre terraplanistas e criacionistas, é o chamado negacionismo. Muitos deles negam veementemente que seis milhões de judeus tenham sido mortos pelas forças armadas, pela polícia e pelos diversos grupos paramilitares nazistas alemães no período que antecedeu e durante a II Guerra Mundial. E, assim como não houve o holocausto dos judeus, também não houve perseguição e morte de comunistas, ciganos e homossexuais. Os campos de concentração e extermínio seriam invenção dos próprios judeus, comunistas, ciganos e homossexuais para se passarem por vítimas e assim conquistar indenizações e humilhar o povo alemão. Hitler, para os revisionistas – muitos deles criacionistas e terraplanistas – foi um grande governante que reergueu a nação alemã que vivia humilhada pelas forças do imperialismo capitalista e comunista. A prova é que os dois imperialismos se uniram para derrotar a nação alemã. Mas o IV Reich um dia se reerguerá para restabelecer a supremacia da raça ariana sobre toda a humanidade.
Entre os terraplanistas, criacionistas e revisionistas, especialmente os do sul do Brasil, há muitos que afirmam que as obras de arte devem ser censuradas. Quando eclodiu o episódio da exposição “Queermuseum” do Santander, vários se pronunciaram afirmando que aquilo não era obra de arte. Para eles, o próprio conceito de “queer” é algo que vai contra a natureza já que, pela criação de Deus, ou se é macho ou se é fêmea. E que as pessoas que se afirmam gays, lésbicas, bissexuais, transexuais, transgêneres..., nada mais são do que aberrações fruto da ideologia de gênero semeada pelas forças internacionais imperialistas que pretendem dominar a humanidade.
De surpresa em surpresa, me dei conta que muitos censuradores, revisionistas, criacionistas e terraplanistas, também são a favor da intervenção militar para repor o Brasil nos eixos. Para eles, o Golpe Militar de 1964 salvou o Brasil do comunismo internacional, instaurou a moral e os bons costumes e colocou cada um no seu lugar: os militares para prender e matar; os capitalistas para acumular riquezas; os trabalhadores para trabalhar; e os vagabundos prá correr. O único erro do regime militar foi ter deixado figuras como Luiz Carlos Prestes, Miguel Arraes e Leonel Brizola voltar ao Brasil. Ah! E outro erro dos militares foi deixar-se influenciar pelo Golbery do Couto e Silva que achava que não havia nenhum problema com um metalúrgico barbudo de São Bernardo que liderava as greves no ABC. Deviam ter acabado com ele desde o início... Como não acabaram com o metalúrgico barbudo na década de 1980 e, por intervenção do imperialismo comunista internacional, ele chegou ao poder pelo voto do povo ignorante, foi preciso restabelecer a ordem democrática depondo sua sucessora pelo voto democrático de parlamentares impolutos. As malas de dinheiro na casa do Geddel e aquelas que o Rocha Loures levou para Belo Horizonte para entregar ao Aécio, assim como os 23 milhões de dólares que o Serra tem na Suíça, isso é tudo invencionice da imprensa esquerdista liderada pela Globo que apoiou o golpe. Só não vê quem não quer!
Nesta Semana Farroupilha, alguns golpistas, censuradores, revisionistas, criacionistas e terraplanistas estão com orgulho levantando a bandeira gaúcha para afirmar que a Revolução Farroupilha foi feita em defesa da liberdade. E que o Massacre de Porongos é invencionice do movimento negro para denegrir a heroica imagem de Bento Gonçalves e demais heróis farroupilhas. E que o objetivo deste movimento revisionista é transformar os CTGs em terreiros. Neles, não mais seria feito churrasco com carne uruguaia, mas seriam assadas as galinhas e cabritos oferecidos aos orixás. E que os patrões e prendas seriam substituídos por pais e mães de santos. E, no lugar da história farroupilha, as professoras dos colégios ensinariam a história da África e da escravidão que no Rio Grande do Sul nunca existiu porque o povo gaúcho é amante da liberdade e as charqueadas de Pelotas são apenas um cenário cinematográfico.

Ah! Alguns gauchistas, golpistas, censuradores, revisionistas, criacionistas e terraplanistas também acreditam em  ETs, Papai Noel, Coelhinho da Páscoa, Bicho Papão e Cegonha. Mas isso já são outras histórias...

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

O gordinho dono da bola

Todos os que jogamos futebol na infância conhecemos o caricato personagem do gordinho, filhinho de papai, que era dono da bola. Nas redondezas, era o único que sempre tinha uma bola nova para jogar. Quem, como eu e meus irmãos e a maioria dos vizinhos, vivia catando bolas de segunda mão, costurando um pedaço de uma com a outra, remendando, fazendo de tudo para ter uma bola para brincar, vivíamos com inveja do gordinho. Ele sempre tinha uma bola nova, reluzente, colorida, número cinco! Era o sonho: uma bola nova número cinco... E se fosse da marca “Dal Ponte”, costurada a mão... Quanta inveja!
E o pior era que o gordinho sabia do poder de sua bola nova, colorida, número cinco, da marca “Dal Ponte”. Nós, os “Sem Bola” ou com bolas precárias, remendadas e velhas, concordávamos tacitamente com o poder que ele tinha, não por mérito seu, mas por ter um pai que podia comprar-lhe uma bola nova a cada seis meses. Para nós, com pais trabalhadores, vivendo no limite da necessidade e loucos por futebol, mais valia fazer as vontades do gordinho e poder jogar com sua bola do que opor-se e ter que correr atrás de uma bola velha, número três, remendada e descolorida.
Entre as vontades do gordinho estava a de escalar os times. Ele ditava quem jogava no time dele e quem jogaria no time adversário. A sorte era que o gordinho, apesar de ser o dono da bola, não entendia muito de futebol. Ele escolhia os jogadores mais por amizade do que pela qualidade futebolística de cada um. E como, normalmente, entre aqueles que o gordinho considerava seus amigos havia alguns que jogavam bem e outros que jogavam mal, as equipes quase sempre resultavam equilibradas.
O outro direito que o gordinho fazia valer era o de nunca jogar de goleiro. Era a posição terrível e detestada por todos. A solução era o revezamento. Cada um jogava um pouco de goleiro e, depois de um tempo ou de tantos gols feitos, era substituído por um companheiro do time. Mas o gordinho, usando o poder da bola nova, reluzente, número cinco, da marca “Dal Ponte”, nunca ia para o gol. Queria sempre jogar de centroavante. Sim, naqueles tempos havia uma posição na escalação que se chamava “centroavante”. Era o cara que ficava na frente, fincado entre os dois zagueiros e, pela força ou pela habilidade, era o encarregado de fazer gols. E o gordinho não tinha nem uma e nem outra... e, por isso, nunca fazia gol. Todo mundo queria que ele jogasse ou de lateral direito ou de ponteiro esquerdo. Não vou explicar aqui para os mais novos o que era um lateral direito ou um ponteiro esquerdo. Mas, não sei por que – e esse é um dos mistérios do futebol dos tempos da minha infância que até hoje não foi desvendado – todo perna de pau era escalado para jogar, ou de lateral direito ou de ponteiro esquerdo. E o gordinho teimava em jogar de centroavante! E nós tínhamos que aceitar porque senão, ele enfiava a bola embaixo do braço e ia embora.
A outra situação terrível em que o gordinho enfiava a bola embaixo do braço e ameaçava ir embora era quando o time dele começava a perder de goleada. Às vezes até evitávamos fazer muitos gols no time do gordinho com medo de que a ameaça se concretizasse. Ele começava a choramingar, a dizer que ia contar tudo para o pai, que nós não valíamos nada, que ele sabia jogar muito mais que nós e que, desse jeito, ele não brincava mais. E às vezes a ameaça se tornava realidade... O gordinho pegava a bola, metia o objeto de desejo e admiração de todos nós entre o braço e a lateral da barriga e, entre uma lágrima e um muxoxo, saia do campo, tomava o caminho que levavas às casas bonitas da vila e desaparecia na esquina perto da mansão onde morava com seu pai e sua mãe. Era o fim do sonho e só nos sobravam duas alternativas. A primeira era a de também ir embora tomando o caminho oposto ao tomado pelo gordinho e voltar a nossas casas que ficavam no lado pobre da vila. Ou então, sair do sonho e voltar à realidade jogando com uma de nossas bolas velhas, remendadas, descoloridas, número três, que até aquele momento tinha ficado escondida de vergonha atrás de uma das goleiras.
Não sei porque as lembranças do gordinho dono da bola me vieram à mente nesta semana quando, no noticiário político, apareceu aquele apartamento cheio de malas recheadas de dinheiro. As digitais que a polícia encontrou nas malas indicam que o Sr. Geddel Vieira Lima era responsável pela presença daquelas malas com todo aquele dinheiro naquele apartamento na cidade de Salvador. No total, 51 milhões de reais sob a cara gorda e sorridente do nobre político baiano com trinta anos de carreira e serviços prestados a vários governos. E aí veio a pergunta que não quer calar: quantas bolas novas, coloridas, reluzentes, número cinco, da marca “Dal Ponte”, daria para comprar com todo aquele dinheiro?

sábado, 9 de setembro de 2017

Os odores da vida

Depois do tato, o olfato talvez seja o segundo mais primitivo e fundamental sentido humano. Aproximadamente aos sete dias de vida extra uterina, a criança é capaz de reconhecer os cheiros. E o primeiro cheiro que o bebê reconhece, é o da própria mãe. E, reciprocamente, a mãe é capaz de reconhecer o cheiro típico de seu bebê. E daí, nascem todos os cheiros...
Quem de nós não guarda na memória o cheiro da casa onde nasceu? Ou o cheiro da grama, das flores, das plantas que rodeavam a casa onde fomos criados? Quem de nós já não foi surpreendido por um odor que lhe é familiar e, buscando nos socavões da memória mais primeva, lembrou de um acontecimento, de um lugar, de uma pessoa, de um objeto da primeira infância?
O cheiro da comida da mãe... Inconfundível. E mais: irresistível. O cheiro de pão assando no forno de barro. O aroma dos temperos tão familiares, tão distantes, tão presentes. Tanto quanto pelo sabor, somos atraídos pelo odor da comida. E o cheiro da pessoa amada. Aquele lenço, aquela toalha, a peça de roupa que o enamorado guarda da pessoa que não está presente agora ou se foi para sempre.
Não só as pessoas têm cheiros característicos e inconfundíveis. Os cheiros também são coletivos. Quem já viveu em cidades multiculturais, aprende a identificar claramente os cheiros de cada povo, de cada cultura. Cheiro de indiano, cheiro de africano, de coreano, de chinês, de francês, de alemão... Muitas vezes este cheiro é qualificado como desagradável porque estranho. O cheiro do outro, do diferente, é identificado pelo nosso inconsciente como “cheiro inimigo”. Assim como os animais demarcam seus territórios com o cheiro de glândulas e de urina, nós, animais humanos, também demarcamos nossos territórios culturais através da identificação dos cheiros. É o velho e profundo sentido do olfato ajudando-nos a nos situarmos no mundo e em nossas relações.
E a capacidade do olfato é muito maior do que imaginamos. O cérebro humano tem a capacidade de reconhecer em torno de dez mil diferentes odores e atribuir a cada um deles, conforme a história pessoal e cultural, uma apreciação valorativa: agradável, desagradável, perigoso, atraente, gostoso... O mundo se desenha no olfato.
Nossa sociedade moderna tem medo dos cheiros. Fazemos tudo para que nossos narizes não sejam atingidos por cheiros dos quais não gostamos. Quanto mais inodoro um ambiente, melhor é considerado. Desodorizantes e perfumes ambientais tentam disfarçar ou anular os cheiros dos ambientes por onde circulamos. Até dos odores de nossos corpos temos medo. O mercado dos desodorantes é um dos que se mantém aquecidos mesmo em tempo de crise. Fazemos verdadeiras ginásticas, às vezes até prejudiciais à saúde, para disfarçar os odores que nosso corpo, naturalmente, emite.
Muitas vezes, mais do que desodorizontes e perfumes, o melhor mesmo seria abrir as janelas para que o ar fresco e perfumado da natureza penetre as casas. Mas teimamos em domesticar os odores. E isso nos limita, nos faz sofrer, nos torna assépticos e insensíveis. A cada manhã, abrir a janela, alargar as narinas, sorver o ar novo... E reaprender a ser humanos, com nossos odores, com nossos amores.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Você sabe o que é caviar?

Com essa pergunta, Zeca Pagodinho inicia o refrão de uma das músicas mais questionadoras do seu amplo e excelente repertório. Ela nos chama atenção para o sentido do paladar. Um sentido que utilizamos muitas vezes ao dia e ao qual nem sempre damos a devida atenção mas que é fundamental para a nossa sobrevivência. É ele que nos permite realizar de forma eficaz uma das necessidades elementares do ser humano: comer!
Sem comer, morremos por inanição. Mas também não podemos comer qualquer coisa. Comer sem critério, também pode levar à morte. Não apenas porque podemos comer demais. E esse é um dos grandes males da atualidade, a obesidade. Mas também porque podemos comer algo que faça mal à nossa saúde.
A função do paladar é selecionar aquilo que comemos. Fazemos isso através dos milhares de botões gustativos – assim os chamam os estudiosos da anatomia humana – que recobrem nossa língua e nos permitem identificar os alimentos e classificá-los conforme os cinco gostos básicos: doce, salgado, amargo, azedo e umami.Através desta seleção básica, o corpo identifica o que é bom para ser comido e o que pode fazer mal ao corpo.
Mas, além do gosto, existe também o sabor. Gosto e sabor não são a mesma coisa. O gosto é a reação química do corpo diante do que é colocado na boca. Sabor, é algo mais complexo. É a combinação do gosto com outros sentidos – a visão, o tato e o olfato – e com toda uma aprendizagem do que é agradável e desagradável. Por isso, há comidas que são amargas e consideradas saborosas; outras, também amargas, consideradas como não saborosas. O mesmo com comidas ácidas, salgadas e doces... Há um doce que dá prazer; outros doces que são nojentos e nosso corpo rejeita. E a mesma comida ou bebida, para um grupo social pode ser considerada saborosa enquanto para outro é asquerosa. Tudo é uma questão de aprendizagem.
Por isso, o paladar, além de um fato biológico, é também um fato cultural. E, por tocar algo que é fundamental ao ser humano, é um elemento fundamental para identificar uma sociedade. Como nos lembrar os sociólogos Farb e Armagelos, “em todas as sociedades, o ato de comer é o modo básico de iniciar e manter relações humanas. Quando o antropólogo descobre onde, quando e com quem se dá a alimentação, pode-se inferir quase tudo mais sobre as relações entre os membros da sociedade. Saber o quê, onde, como, quando e com quem as pessoas comem é conhecer o caráter de sua sociedade”.
Voltando a Zeca Pagodinho, há gente que faz questão de dizer que come caviar e toma champanhe francês. Outros, preferem arroz, feijão, ovo frito e torresmo. Os primeiros, normalmente, o fazem por opção. Os segundos, os que comem todo dia feijão, arroz e ovo frito, normalmente o fazem porque não tem outra opção.
A capacidade da comida em revelar quem são as pessoas e como é a sociedade é tal que poderíamos dizer: “diga-me o que e com quem comes, e eu te direi quem tu és”. Ou, como diz o velho filósofo Feuerbach, “o ser humano é aquilo que come”.
Em qualquer uma das nossas cidades, é fácil saber quem come nos restaurantes onde um almoço ou janta passa dos cem reais e os que almoçam todos os dias no Restaurante Popular ou então nos sopões dos Centros Espíritas. Os que comem num lugar, não se misturam com os que comem no outro. Cada um na sua mesa e com suas companhias.
Os restaurantes são seletivos. A comida é seletiva. O paladar é seletivo. E seletiva é a sociedade, como a brasileira, que, segundo dados da EMBRAPA, 40% do alimento produzido é desperdiçado, desde o início do processo de sua produção, na colheita, no armazenamento, transporte, distribuição, preparação da comida e até o descarte depois das refeições realizadas. Enquanto isso, 20% da população brasileira sofre de carência alimentar... Nos Estados Unidos, o desperdício é de 50% do produzido. Com a comida desperdiçada só nos Estados Unidos, seria possível saciar todos os famintos do mundo.
Assim que, ao comer, somos convidados a sentir o sabor dos alimentos. Mas a também perguntar-nos por quem está à nossa mesa e também por aqueles que não tem uma mesa e com quem comer e muito menos o que comer. Bom apetite!

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Tocar o intocável

O tato é o mais primitivo e o mais amplo dos sentidos humanos. Quando nascemos, nossos olhos ainda estão fechados, nossos ouvidos ainda estão surdos... nosso contato com o mundo se dá através da nossa pele.
O maior conforto para uma criança, logo ao nascer, é ser colocada sobre o corpo da mãe. Sentir o calor do corpo materno dá para o recém nascido o conforto e a segurança para superar a violência do parto. O mesmo diga-se para a mãe. Sentir o corpo da criança junto ao seu dá a ela a sensação de que tudo está bem com a criança. Hoje, depois de séculos de uma medicina asséptica, médicos voltam a descobrir essa realidade tão primitiva da experiência humana: o tato é o mais primitivo e mais profundo dos sentidos. Ele nos remete ao início da vida.
O tato como primitiva expressão da relação humana, também se manifesta quando queremos dizer a alguém que o amamos. Não basta dizer. Temos que nos aproximar e demonstrá-lo fisicamente. Num ambiente formal, simplesmente apertamos as mãos. É distante, mas já é um contato. Quanto temos um pouco mais de proximidade, beijamos o rosto da outra pessoa e nos deixamos beijar.
Quando esta proximidade ainda é maior, a proximidade se aprofunda e partimos para o abraço que aperta cada vez mais na medida em que queremos expressar a profundidade do sentimento que experimentamos pelo outro.
Num casal de amantes, o beijo, do rosto, passa aos lábios, à boca, fazendo-se expressão do encontro total dos dois que já não são dois, mas passam a ser um. A culminância do encontro táctil se dá na relação sexual, momento em que todo o corpo é tocado, na sua exterioridade e na sua intimidade, pelo corpo do outro.
Muitas vezes, quando representamos os sentidos, para falar do tato, desenhamos as mãos. Ledo engano. As mãos são a ínfima expressão do tato. O tato está presente em toda a superfície de nossa pele. Da ponta dos dedos dos pés até o alto da nuca. São, em média, dois metros quadrados de pele com cinco tipos de sensores que permitem ao nosso corpo sentir o mundo ao seu redor. Sentimos frio, calor, prazer e dor. É o sentido quantitativamente mais amplo no ser humano. Quando pisamos numa superfície quente ou fria, é o tato que está na sola dos nossos pés que sente. Todos já sentimos um frio subir pelas pernas. Ou um frio na barriga. Ou um calor... ou frio na nuca, nas costas, no ventre! Toda a superfície de nosso corpo é táctil. Ao mesmo tempo que protege o interior do nosso corpo, a pele nos coloca em contato e comunicação com o exterior.
Convido-as também a pensar em situações em que o sentido do tato não é permitido. Por exemplo, uma mãe que, ao parir o filho ou a filha, é privada do contato com a criatura que saiu de seu ventre. Não poder tocá-lo, sentir seu calor, sua pele, tê-lo sobre seu regaço... E, do lado da criança, como medir o trauma de sair do calor do ventre materno e não mais ter contato com aquele corpo que o gerou? Penso nas crianças que nasciam nos leprosários. Conheci o de Itapuã, em Viamão, pertinho de Porto Alegre. As mães leprosas, ao engravidar, sabiam que nunca tocariam seus filhos depois que saíssem de seus ventres. A cadeira de parto, de madeira, era colocada numa janelinha entre uma sala e outra. A sala das leprosas, onde ficava a mãe e a sala dos sãos, onde ficava a enfermeira. Ao nascer, a criança passava de uma sala para a outra. A criança apenas era mostrada para a mãe que nunca poderia tocá-la...
Alguém já fez a experiência de, ao estender a mão para saudar alguém, ter a mão do outro negada? Ou então, de ver o rosto desviar-se quando se aproximava para o beijo? Ou então, aquele abraço frio, mecânico, sem calor, sem sentimento?
Poderíamos também falar – e é preciso falar – daquele toque da pele agressivo, violento, impositivo. Aquele toque na pele indesejado, ofensivo, que as mulheres sofrem nos ônibus, nos trens, nas ruas, nas festas, nas casas, na intimidade do lar e até nas igrejas. O toque que se transforma em golpe, tapa, soco, estupro, quando a mulher não consente em ter seu corpo tocado por quem ela não deseja.
E as crianças que tem seus corpos tocados de forma violenta por parte de quem esperavam carinho e proteção. E seus corpos recebem agressão, violenta, na pele, no corpo, na profundidade da alma. Agressões de forma tão violenta que, muita vezes, inibem o próprio sentido do tato e acabam por tornar os corpos, individual e socialmente, insensíveis e intocáveis.

É preciso reaprender a tocar o intocável. E afastar o toque não consentido e não desejado que pode deixar marcas de dor e sofrimento para o resto da vida.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Ver o invisível

Estamos tão habituados com o fato de enxergar, que dificilmente nos imaginamos cegos ou impedidos de ver. O mundo, tal qual o organizamos, é um mundo de videntes e para videntes. Uma pessoa que não enxerga tem muita dificuldade para habituar-se e conviver no mundo ordinário.
Estamos tão acostumados com o verbo ver que, mesmo quando a experiência se refere a outros sentidos, usamos, para indicá-la, muitas vezes, a expressão “ver”: “Viu” que música bonita? “Viu” como fazia calor? “Viu” o cheiro daquela coisa? Vivemos, mentalmente, uma dominância do sentido da visão.
E isso porque a visão é o sentido da dominação. Quando chegamos a um lugar novo - tal qual cães que vão sinalizando o território através de sinais odoríferos urinários - nosso primeiro instinto é dar uma volta para ver o que existe naquele lugar. Dificilmente paramos para ouvir, cheirar, apalpar, saborear... Queremos ver! E, de preferência, ver do lugar mais alto para ter uma visão ampla, abrangente, dominadora.
Hoje, mais do que nunca, a imagem é a rainha da comunicação. Quem não é visto, não existe. Nas redes sociais, o ideal é alcançar o máximo possível de visualizações. Uma postagem, em qualquer uma das redes sociais, se não é visualizada, é como se não existisse.
E, como todas sabemos, quanto mais chamativa ao olhar for uma foto, mais visualizações ela terá. Uma postagem sem foto, é muito provável que passará desapercebida nas redes sociais!
Por outro lado, somos incapazes de ver o nosso próprio rosto. Só podemos vê-lo no espelho. Mas o espelho não somos nós. Diferentemente do que muitos pensam, o espelho é apenas o reflexo do nosso rosto, e não o nosso rosto. Muitas vezes esquecemos isso e pensamos que o que vemos no espelho somos nós...

Por isso, talvez, seja verdadeiro o que dizia o Pequeno Príncipe: “o essencial é invisível aos olhos”. É a ânsia insaciada e insaciável de ver o próprio rosto que nos leva ao desejo infindo de ver imagens que, esperaremos eternamente sem nunca sermos satisfeitos, reflitam o rosto que somos. Mas, feliz ou infelizmente, precisamos nos conformar ao fato de que não teremos jamais a possibilidade de nos divisarmos a nós mesmos tal qual somos. E esse é um desejo eterno que pode nos levar, tal qual novos Narcisos, à morte pela inanição contemplativa do próprio rosto invisível.